...

Ls Advogados

ROMIPLOSTIM (NPLATE): Plano de Saúde Deve Custear o Medicamento

É sabido que os planos de saúde fazem seus cálculos e prestam seus serviços de acordo com sua fome de lucro. O medicamento ROMIPLOSTIM (NPLATE), por isso, é muitas vezes negado pelo plano de saúde – ocorre que a justiça vem consolidando sua jurisprudência no sentido de que a negativa é abusiva.

No entanto, o medicamento ROMIPLOSTIM (NPLATE) deve ser custeado por todos os planos de saúde independentemente do tipo de contrato, pois é o que a jurisprudência já tem estabelecido.

A Importância do Romiplostim (Nplate) no Tratamento e a Recusa Injustificada do Plano de Saúde

Trazemos como exemplo o caso de um consumidor que necessitava do medicamento Romiplostim (Nplate) para tratamento, recusado pela Bradesco Saúde sob alegação de uso off-label, ou seja, fora das indicações da bula.

O Tribunal de Justiça de São Paulo, considerando a eficácia científica do medicamento e a inexistência de alternativa terapêutica adequada, determinou a cobertura pelo plano de saúde. A decisão baseou-se na Lei 9.656/98, na jurisprudência do STJ sobre o caráter taxativo do rol da ANS, e na Lei 14.454/2022, que reforça a cobertura de tratamentos com comprovação científica.

O caso evidencia a complexidade da relação entre planos de saúde e o direito à saúde, destacando a importância do acesso a medicamentos essenciais para a qualidade de vida dos pacientes.

Romiplostim (Nplate) Além das Diretrizes da ANS: Jurisprudência e Lei 14.454/2022

O medicamento Romiplostim (Nplate) representa um avanço significativo no tratamento de condições hematológicas, oferecendo uma nova esperança para pacientes que não respondem aos tratamentos convencionais. A sua eficácia e segurança, embora comprovadas cientificamente, encontraram barreiras na sua inclusão no rol de procedimentos obrigatórios da ANS, uma realidade que muitos pacientes enfrentam ao buscar terapias inovadoras.

A recusa inicial da Bradesco Saúde em fornecer o Romiplostim sob a alegação de uso off-label reflete um desafio maior na saúde suplementar brasileira: a interpretação restritiva do rol da ANS.

Essa abordagem limita o acesso dos pacientes a tratamentos potencialmente benéficos e necessários para a sua condição de saúde, baseando-se numa visão conservadora que não acompanha a velocidade dos avanços médicos.

A Lei 14.454/2022 surge como um marco legislativo importante, alterando a Lei 9.656/98 para ampliar a cobertura dos planos de saúde para além do rol da ANS, olhando, por exemplo, para a aprovação do medicamento em órgãos como a Conitec.

Essa mudança legislativa reflete um entendimento mais abrangente sobre a necessidade de adaptar as políticas de saúde suplementar aos progressos da medicina, garantindo aos pacientes acesso a tratamentos inovadores com base na evidência científica.

A decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo em favor do consumidor, ordenando a cobertura do Romiplostim pela Bradesco Saúde, exemplifica a aplicação prática da Lei 14.454/2022.

Este caso pontua não apenas a importância do reconhecimento legal da ciência como base para a cobertura de saúde, mas também destaca a função do judiciário em assegurar os direitos dos consumidores frente às operadoras de planos de saúde.

Esta decisão também representa um precedente significativo, indicando que o judiciário está disposto a intervir quando as operadoras de planos de saúde falham em cumprir com suas obrigações legais de fornecer tratamentos essenciais.

O reconhecimento do uso off-label de medicamentos, quando suportado por evidências científicas robustas, desafia a visão anteriormente restritiva e abre caminho para uma interpretação mais flexível e benéfica para os pacientes.

Consequências da Negativa de Cobertura do Romiplostim (Nplate): Danos Morais e a Valorização da Saúde do Consumidor

A argumentação da operadora de plano de saúde baseou-se na exclusão de coberturas para tratamentos experimentais e não previstos no rol da ANS. Contudo, o tribunal reconheceu a necessidade do medicamento para o tratamento do consumidor, destacando a inadequação da recusa com base em uma interpretação restritiva das normas.

A decisão judicial enfatizou a aplicabilidade da Lei 9.656/98, modificada pela Lei 14.454/2022, que estabelece critérios mais abrangentes para a cobertura de tratamentos pelos planos de saúde, incluindo a comprovação da eficácia científica do tratamento recomendado.

O tribunal considerou a conduta da Bradesco Saúde S/A como abusiva, ordenando a cobertura do medicamento e a indenização por danos morais ao consumidor. Essa decisão reflete um entendimento jurídico que prioriza o bem-estar e os direitos do consumidor frente às restrições contratuais dos planos de saúde.

A indenização por danos morais, fixada em R$ 10.000,00, foi justificada pelo reconhecimento do sofrimento e da aflição psicológica causados pela recusa indevida de cobertura. Esse aspecto da decisão sublinha a importância de uma avaliação cuidadosa das consequências das negativas de cobertura sobre a saúde e a vida dos consumidores.

O caso serve como um importante precedente para futuras disputas envolvendo a cobertura de medicamentos e tratamentos pelos planos de saúde. Mostra a disposição do judiciário em intervir em favor dos direitos dos consumidores, promovendo uma interpretação das leis que esteja alinhada com os princípios de justiça e equidade.

A decisão também ressalta a relevância do diálogo entre as partes envolvidas no sistema de saúde suplementar, incluindo operadoras de planos, profissionais médicos, consumidores e o judiciário, para assegurar que o acesso a tratamentos necessários não seja indevidamente restrito por interpretações contratuais limitadas.

Finalmente, este caso ilustra a dinâmica complexa entre as regulamentações da saúde suplementar e os direitos dos consumidores, destacando a necessidade de atualizações legislativas e regulatórias que acompanhem os avanços da medicina e assegurem a proteção efetiva dos direitos à saúde.

Compartilhe:

Marcel Sanches
Marcel Sanches

Advogado na Ls Advogados. Especialista em Direito Privado e Atuação nos Tribunais Superiores. Utilizou IA para colocar esta camisa social, pois não queria tirar uma nova foto.

Últimos Posts

Rituximabe plano de saude

Bradesco Saúde Deve Cobrir Tratamento com Rituximabe para Neuromielite Óptica

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que a Bradesco Saúde S/A deve custear o tratamento de um...

Carboplatina Gencitabina e Bevacizumabe plano de saude

Prevent Senior Obrigada a Cobrir Tratamento com Carboplatina, Gencitabina e Bevacizumabe

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu que a Prevent Senior Private Operadora de Saúde Ltda. deve custear...

Ocrelizumabe plano de saude

Unimed Deve Custear Tratamento com Ocrelizumabe para Paciente com Esclerose Múltipla

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu que a Unimed de São José dos Campos deve custear o...

Justiça mantém decisão que obriga NotreDame Intermédica Saúde S/A a fornecer o medicamento Olaparibe (Lynparza) para uma paciente com carcinoma de ovário

Justiça Condena NotreDame a Cobrir Olaparibe (Lynparza)

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo manteve a decisão que obriga a NotreDame Intermédica Saúde S/A...

Ribomustin cloridrato de bendamustina plano de saude

Justiça Obriga Plano de Saúde a Cobrir Ribomustin para Paciente com Doença Rara

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que a Fundação CESP, responsável pela gestão de um plano de...

lista de medicamentos cobertos pelo plano de saude

Lista de Medicamentos Cobertos Pelo Plano de Saúde

O plano de saúde é obrigado a cobrir medicamentos de duas listas: a primeira lista é o rol da...

dupilumabe dupixent ans plano de saúde ls advogados

O Plano de Saúde Cobre Dupilumabe (Dupixent). Como Conseguir a Cobertura do Dupilumabe?

Este artigo discute a problemática enfrentada por pacientes ao terem negada a cobertura do medicamento Dupilumabe (Dupixent) pelos planos...

negativa tratamento medicamento ans plano de saude ls advogados

Plano de Saúde: Negativa de Tratamento e Medicamento? Você Tem Direito à Cobertura! Como Conseguir Rápido?

Este artigo aborda a obrigatoriedade dos planos de saúde em cobrir medicamentos e tratamentos prescritos por médicos, destacando a...

Spravato Escetamina ans plano de saúde ls advogados

Spravato (Escetamina): O Plano de Saúde Tem Obrigação de Cobrir o Medicamento Spravato (Escetamina)

A negativa de cobertura do Spravato (Escetamina) pelo plano de saúde sob alegação de tratamento experimental é abusiva.

Vandetanibe ans plano de saúde ls advogados

Vandetanibe (Caprelsa): Plano de Saúde é Obrigado a Cobrir o Vandetanibe (Caprelsa)

Os planos de saúde são obrigados a fornecer o medicamento Vandetanibe (Caprelsa) para uso domiciliar ou ambulatorial.

Áreas do Blog

Deixe Seu Comentário
(Caso Deseje Realizar Uma Consulta, Entre Em Contato Através do WhatsApp):

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

whatsapp advogado online
Seraphinite AcceleratorOptimized by Seraphinite Accelerator
Turns on site high speed to be attractive for people and search engines.