...

Ls Advogados

Acalabrutinibe (Calquence): Plano de Saúde Deve Cobrir o Acalabrutinibe (Calquence)

O Acalabrutinibe, comercialmente conhecido como Calquence, representa uma inovação significativa no tratamento de certos tipos de câncer, tendo comprovação científica de sua eficácia e, por isso, é um medicamento que o plano de saúde é obrigado a fornecer.

Este medicamento é um inibidor da tirosina quinase de Bruton (BTK), essencial para o desenvolvimento e funcionamento de células B malignas.

Ao bloquear a atividade da BTK, o Acalabrutinibe interfere no crescimento e na sobrevivência dessas células cancerígenas.

Sua principal indicação é para o tratamento do linfoma de células do manto (LCM), uma forma rara e agressiva de linfoma não-Hodgkin. O LCM caracteriza-se pela proliferação descontrolada de linfócitos B, que são um tipo de glóbulo branco crucial para a resposta imunológica do corpo.

Pacientes diagnosticados com essa condição enfrentam um prognóstico desafiador, o que torna o acesso a tratamentos inovadores como o Acalabrutinibe de grande importância.

A eficácia do Acalabrutinibe tem sido comprovada em diversos estudos clínicos, os quais demonstraram sua capacidade de alcançar uma resposta positiva no organismo, retardando significativamente a progressão da doença e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Esses resultados oferecem esperança a indivíduos com LCM, especialmente àqueles que não responderam ou deixaram de responder a terapias anteriores.

A administração do Acalabrutinibe é oral, o que facilita o uso contínuo do medicamento pelos pacientes, permitindo uma melhor gestão do tratamento em um contexto ambulatorial.

Essa característica representa um avanço significativo em relação a terapias mais invasivas, como a quimioterapia, que requerem administração intravenosa e frequentes visitas ao hospital.

Apesar de sua eficácia, o acesso ao Acalabrutinibe pode ser limitado por decisões de cobertura dos planos de saúde.

Muitas vezes, a justificativa para a negativa do medicamento de alto custo de cobertura baseia-se na ausência do medicamento no rol de procedimentos obrigatórios da ANS ou na alegação de que o tratamento é experimental.

Contudo, a relevância clínica e a comprovação da eficácia do Acalabrutinibe desafiam essa perspectiva, ressaltando a necessidade de uma revisão criteriosa das políticas de cobertura – o que, quando não é resolvido pelo próprio plano de saúde, pode ser resolvido através de uma ação judicial. É a judicialização da saúde suplementar.

É importante destacar que o Acalabrutinibe, assim como outros tratamentos oncológicos de ponta, representa um custo significativo. Isso faz com que a cobertura pelos planos de saúde seja crucial para garantir que os pacientes possam se beneficiar sem enfrentar uma carga financeira proibitiva.

A negativa de cobertura do Acalabrutinibe (Calquence) não apenas impede o acesso a tratamentos vitais mas também adiciona uma camada de estresse e incerteza para os pacientes e suas famílias.

Diante desses desafios, a discussão sobre a cobertura do Acalabrutinibe pelos planos de saúde torna-se fundamental. Pacientes, profissionais de saúde e defensores dos direitos dos consumidores têm se mobilizado para garantir que tratamentos essenciais como o Acalabrutinibe sejam acessíveis a todos que necessitam.

A luta por acesso abrangente a tratamentos inovadores é um passo crucial na jornada para melhorar os desfechos de saúde e a qualidade de vida dos pacientes com câncer.

Por que alguns planos de saúde negam a cobertura do Acalabrutinibe (Calquence)?

A negativa de cobertura do Acalabrutinibe (Calquence) por alguns planos de saúde é uma prática abusiva que suscita debates e questionamentos.

Essa recusa frequentemente se baseia em critérios que, à primeira vista, podem parecer justificáveis, mas que, sob uma análise mais detalhada, revelam-se contestáveis e, em alguns casos, contrários às necessidades dos pacientes.

Um dos principais motivos para a negativa é a não inclusão do medicamento no rol de procedimentos e eventos em saúde da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Esse rol, frequentemente atualizado pela ANS, determina a lista mínima de procedimentos que os planos de saúde são obrigados a cobrir.

Contudo, a natureza dinâmica da medicina e o constante desenvolvimento de novos tratamentos podem fazer com que esse rol se torne rapidamente desatualizado em relação às mais recentes inovações terapêuticas.

Outro argumento comum é a classificação do tratamento como “experimental” ou “não comprovado cientificamente”, apesar de haver evidências robustas da eficácia do Acalabrutinibe no tratamento de certos tipos de câncer, como o linfoma de células do manto.

Essa classificação pode ser utilizada pelos planos de saúde como uma justificativa para excluir determinados tratamentos de sua cobertura, sem considerar adequadamente as recomendações e prescrições médicas baseadas em evidências e na prática clínica atual.

A questão do custo também é um fator relevante. O Acalabrutinibe é um medicamento de alto custo, e os planos de saúde podem alegar limitações financeiras para justificar a negativa de cobertura.

No entanto, essa perspectiva não leva em conta o princípio da proteção à vida e à saúde, fundamentos essenciais que devem orientar a operação dos planos de saúde, conforme estabelecido pela legislação brasileira e pelas normativas da ANS.

A complexidade do cenário regulatório e as brechas legais existentes contribuem ainda mais para esse problema.

Apesar de avanços legislativos e de decisões judiciais que buscam garantir maior acesso a tratamentos inovadores e necessários, ainda existem obstáculos significativos para a sua implementação efetiva, o que resulta em negativas de cobertura que desafiam a lógica médica e as necessidades dos pacientes.

Essa resistência dos planos de saúde em fornecer cobertura para o Acalabrutinibe não apenas impõe barreiras ao acesso a tratamentos essenciais, mas também reflete uma visão limitada sobre o valor da vida e da qualidade de vida dos pacientes.

O debate sobre a cobertura de medicamentos inovadores como o Acalabrutinibe levanta questões importantes sobre os direitos dos pacientes, a ética na saúde suplementar e a necessidade de uma revisão criteriosa e humanizada das políticas de cobertura.

Diante desse cenário, torna-se imperativo que os pacientes, seus familiares e profissionais de saúde estejam cientes de seus direitos e das vias legais disponíveis para contestar negativas de cobertura injustificadas.

A luta pelo acesso ao Acalabrutinibe e a outros tratamentos inovadores é um reflexo da busca por um sistema de saúde mais justo, equitativo e centrado no paciente.

Plano de Saúde Tem Obrigação de Fornecer o Acalabrutinibe (Calquence)?

Sim, o plano de saúde tem a obrigação de cobrir o medicamento Acalabrutinibe (Calquence) – já tinha antes, mas, para tirar qualquer dúvida, foi editada a lei 14.454/2022, que garantiu aos beneficiários de planos de saúde a cobertura do Acalabrutinibe (Calquence).

A cobertura do Acalabrutinibe (Calquence) pelos planos de saúde é uma questão que envolve não apenas aspectos médicos e éticos, mas também legais. A legislação brasileira, através da Lei nº 9.656/98, que regula os planos e seguros privados de assistência à saúde, estabelece diretrizes claras sobre as obrigações das operadoras, especialmente no que se refere à cobertura de medicamentos.

Recentes avanços legislativos e decisões judiciais têm reforçado a obrigatoriedade dos planos de saúde em fornecer cobertura para tratamentos essenciais, mesmo que estes não estejam explicitamente listados no rol de procedimentos da ANS.

A interpretação dessas normas tem sido progressivamente voltada para a proteção dos direitos dos consumidores, entendendo que a saúde é um direito fundamental e deve ser garantida de forma ampla e irrestrita.

A Lei 14.454/2022, por exemplo, ampliou o entendimento sobre a cobertura obrigatória dos planos de saúde, estabelecendo que, além dos procedimentos listados pela ANS, os planos devem cobrir tratamentos com comprovação científica de eficácia.

Isso inclui medicamentos como o Acalabrutinibe (Calquence), quando há indicação médica e evidências de sua eficácia e necessidade para o paciente.

A decisão tomada pela segunda seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que considerou o rol da ANS como taxativo, foi rapidamente superada pela aprovação da referida lei, que restabeleceu a interpretação de que os planos de saúde têm a obrigação de cobrir tratamentos essenciais, independentemente de sua inclusão no rol da ANS, desde que haja comprovação da eficácia do tratamento e indicação médica.

Além disso, a jurisprudência brasileira tem sido consistente em favor dos pacientes em situações em que os planos de saúde negam cobertura para medicamentos essenciais.

Os tribunais têm entendido que a negativa de cobertura de tratamentos recomendados por profissionais de saúde e comprovadamente eficazes constitui uma violação aos direitos do consumidor, podendo resultar em condenações por danos morais e obrigação de fazer por parte das operadoras.

Essa abordagem jurídica reflete um entendimento mais amplo de que as operadoras de planos de saúde devem atuar não apenas como entidades comerciais, mas como prestadoras de um serviço essencial à vida e à dignidade humana.

Nesse sentido, a negativa de cobertura do Acalabrutinibe, quando prescrito por médico e comprovadamente necessário ao tratamento do paciente, pode ser considerada ilegal e passível de contestação judicial.

Portanto, a obrigação legal dos planos de saúde em fornecer o Acalabrutinibe quando indicado médicamente é clara e fundamentada tanto na legislação específica quanto em princípios constitucionais de proteção à saúde.

Os pacientes que enfrentam negativas de cobertura têm à sua disposição mecanismos legais para garantir seus direitos, sendo recomendável a busca por orientação jurídica especializada para enfrentar essas situações.

Há Decisões na Justiça Obrigando o Plano de Saúde a Cobrir o Acalabrutinibe (Calquence) ?

Sim, há uma série de decisões na justiça que reconhecem o direito do consumidor beneficiário de qualquer plano de saúde a ter o Acalabrutinibe (Calquence) coberto pela operadora.

A eficácia do Acalabrutinibe (Calquence) no tratamento de certos tipos de câncer, como o linfoma de células do manto, tem sido reconhecida não apenas pela comunidade médica, mas também pelo poder judiciário brasileiro em diversas decisões. Um exemplo notável dessa tendência é o caso de uma paciente que teve a cobertura do Acalabrutinibe (Calquence) garantida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo no processo 1046531-55.2022.8.26.0100, após negativa inicial de seu plano de saúde.

No processo, a paciente, diagnosticada com linfoma de células do manto, teve o Acalabrutinibe (Calquence) prescrito por seu médico como parte essencial de seu tratamento.

Contudo, a operadora de saúde negou a cobertura sob a justificativa de que o medicamento não constava no rol da ANS ou por considerá-lo experimental.

A recusa baseava-se em interpretações restritivas que não levavam em conta a urgência e a especificidade do tratamento indicado para a condição da paciente.

A decisão judicial favorável à paciente destacou a importância da prescrição médica, baseada em evidências científicas sólidas e na necessidade de tratamentos personalizados para casos específicos de câncer.

O tribunal reforçou o entendimento de que o rol da ANS serve como referência mínima de cobertura, não excluindo a responsabilidade das operadoras de saúde de fornecer tratamentos comprovadamente eficazes, mesmo que estes não estejam explicitamente listados.

O juízo considerou a negativa de cobertura como uma prática abusiva, violando os direitos fundamentais à saúde e à vida da paciente. Foi enfatizado que a legislação e as súmulas pertinentes, como as Súmulas 96 e 102 do Tribunal de Justiça de São Paulo, asseguram o direito à cobertura de tratamentos necessários, desde que haja recomendação médica e comprovação de sua eficácia.

Além da obrigação de fornecer o Calquence, a operadora de saúde foi condenada ao pagamento de indenização por danos morais, reconhecendo-se os transtornos emocionais e a angústia enfrentados pela paciente devido à negativa inicial. Este aspecto da decisão sublinha o reconhecimento do impacto psicológico e da urgência que envolvem o tratamento do câncer, aspectos muitas vezes negligenciados pelas operadoras de planos de saúde.

Este caso ilustra não apenas a luta de pacientes por acesso a tratamentos inovadores e personalizados, mas também a crescente disposição do judiciário em garantir esses direitos, baseando-se na melhor evidência científica disponível e no primado da saúde do paciente.

Serve como precedente importante para casos futuros, destacando a necessidade de uma interpretação mais ampla e humanizada das políticas de saúde suplementar, especialmente em casos de doenças graves como o câncer.

O Que Fazer Se o Plano de Saúde Negar a Cobertura do Acalabrutinibe (Calquence)?

Diante de uma negativa de cobertura do Acalabrutinibe (Calquence) por parte de planos de saúde, os pacientes e suas famílias podem se encontrar em uma situação de vulnerabilidade e incerteza. No entanto, é fundamental saber que existem caminhos a serem seguidos para contestar essa decisão e garantir o acesso ao tratamento necessário. A orientação mais eficaz e direta é a busca por um advogado especializado no direito médico e da saúde.

  1. Consulta com Advogado Especializado: O primeiro passo é consultar um advogado com experiência em direito da saúde. Esse profissional poderá avaliar detalhadamente o caso, orientar sobre os direitos do paciente e as possibilidades jurídicas disponíveis, considerando a legislação atual e as decisões judiciais precedentes relacionadas à cobertura de medicamentos.
  2. Análise da Documentação: Será necessário reunir toda a documentação médica que comprove a necessidade do Acalabrutinibe (Calquence) para o tratamento, incluindo prescrições médicas, relatórios e qualquer outra evidência que demonstre a eficácia do medicamento para o caso específico do paciente.
  3. Elaboração de Estratégia Jurídica: Com base na análise do caso e na documentação disponível, o advogado poderá elaborar a estratégia jurídica mais adequada, que pode incluir desde a negociação direta com o plano de saúde até o ajuizamento de uma ação judicial para garantir a cobertura do tratamento.
  4. Ação Judicial: Caso se mostre necessário recorrer ao judiciário, o advogado preparará e protocolará a ação adequada, solicitando a concessão de uma liminar para o fornecimento imediato do medicamento, além de buscar a reparação por danos morais decorrentes da negativa de cobertura.
  5. Acompanhamento do Processo: O advogado acompanhará todo o processo judicial, representando o paciente em audiências e diligências necessárias, até a obtenção de uma decisão final que assegure o direito à cobertura do Acalabrutinibe (Calquence).

Optar pela assistência de um advogado especializado não apenas aumenta significativamente as chances de sucesso na obtenção da cobertura necessária, como também proporciona suporte durante um período potencialmente estressante e desafiador para o paciente e sua família. A experiência e o conhecimento específico nessa área do direito são cruciais para navegar pelo complexo sistema jurídico e regulatório de saúde.

A negativa de cobertura do Acalabrutinibe (Calquence) não é o fim da jornada para os pacientes que necessitam desse tratamento essencial. Através da orientação jurídica adequada, é possível desafiar decisões injustas dos planos de saúde e garantir o acesso aos direitos de saúde protegidos por lei.

Compartilhe:

Marcel Sanches
Marcel Sanches

Advogado na Ls Advogados. Especialista em Direito Privado e Atuação nos Tribunais Superiores. Utilizou IA para colocar esta camisa social, pois não queria tirar uma nova foto.

Últimos Posts

lista de medicamentos cobertos pelo plano de saude

Lista de Medicamentos Cobertos Pelo Plano de Saúde

O plano de saúde é obrigado a cobrir medicamentos de duas listas: a primeira lista é o rol da...

dupilumabe dupixent ans plano de saúde ls advogados

O Plano de Saúde Cobre Dupilumabe (Dupixent). Como Conseguir a Cobertura do Dupilumabe?

Este artigo discute a problemática enfrentada por pacientes ao terem negada a cobertura do medicamento Dupilumabe (Dupixent) pelos planos...

negativa tratamento medicamento ans plano de saude ls advogados

Plano de Saúde: Negativa de Tratamento e Medicamento? Você Tem Direito à Cobertura! Como Conseguir Rápido?

Este artigo aborda a obrigatoriedade dos planos de saúde em cobrir medicamentos e tratamentos prescritos por médicos, destacando a...

Spravato Escetamina ans plano de saúde ls advogados

Spravato (Escetamina): O Plano de Saúde Tem Obrigação de Cobrir o Medicamento Spravato (Escetamina)

A negativa de cobertura do Spravato (Escetamina) pelo plano de saúde sob alegação de tratamento experimental é abusiva.

Vandetanibe ans plano de saúde ls advogados

Vandetanibe (Caprelsa): Plano de Saúde é Obrigado a Cobrir o Vandetanibe (Caprelsa)

Os planos de saúde são obrigados a fornecer o medicamento Vandetanibe (Caprelsa) para uso domiciliar ou ambulatorial.

autista resolucao 469 ans plano de saude advogado terapias

Autismo: Fim Da Limitação De Sessões de Terapia Pelo Plano de Saúde! Resolução 469 da ANS

O artigo aborda a conquista histórica para a comunidade autista: o fim da limitação de sessões de terapia pela...

Verzenios (Abemaciclibe) plano de saúde ans

Verzenios (Abemaciclibe): Plano de Saúde é Obrigado a Cobrir o Medicamento

O medicamento VERZENIOS (Abemaciclibe) deve ser custeado pelo plano de saúde, conforme legislação e decisões judiciais recentes. Este artigo...

Planos de Saúde Negativa Terapia TEA

TEA: A Ampliação da Cobertura dos Planos de Saúde Para Terapias

O Plano de Saúde Não Pode Negar Terapias para TEA - a menos que sejam experimentais.

Romiplostim (Nplate) Plano de Saúde

ROMIPLOSTIM (NPLATE): Plano de Saúde Deve Custear o Medicamento

O Medicamento ROMIPLOSTIM (NPLATE) Deve Ser Coberto Pelo Plano de Saúde.

LUMAKRAS (SOTORASIBE®) Plano de Saúde

LUMAKRAS (SOTORASIBE®)Plano de Saúde é Obrigado a Fornecer Medicamento Sotorasibe

Plano de saúde é obrigado a fornecer medicamento Lumakras (Sotorasibe), decide Justiça em Jurisprudência do Tribunal.

Áreas do Blog

Deixe Seu Comentário
(Caso Deseje Realizar Uma Consulta, Entre Em Contato Através do WhatsApp):

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

whatsapp advogado online
Seraphinite AcceleratorOptimized by Seraphinite Accelerator
Turns on site high speed to be attractive for people and search engines.