Ls Advogados

Direito de Crédito

Via Varejo Deve Indenizar Consumidor Por Negativação Indevida

Em um ambiente de constante vigilância sobre as práticas comerciais, a proteção do consumidor se apresenta como um dos pilares da justiça civil contemporânea. O caso de negativação indevida que se desenrolou no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro traz à tona a essência do Código de Defesa do Consumidor, especialmente no que tange à inversão do ônus da prova, um princípio que equilibra a balança nas disputas entre consumidores e empresas.

Este caso específico, envolvendo a Via Varejo S/A e uma consumidora, transcende a questão individual para tocar em um ponto crítico do direito do consumidor: a responsabilidade das empresas em provar a legitimidade de suas ações, principalmente quando estas resultam em penalidades creditícias para os consumidores.

A decisão do tribunal não foi apenas uma vitória para a parte autora, mas um marco para todos os consumidores que, algum dia, podem se encontrar em uma situação semelhante.

A jurisprudência do TJRJ, ilustrada por este caso, reforça a noção de que o dano ao crédito do consumidor é uma ofensa séria e passível de indenização, mesmo quando o dano é presumido.

Ao adentrarmos os detalhes do caso, observamos que a disputa girou em torno da capacidade da empresa de provar a existência de uma dívida.

A falta dessa prova foi decisiva para o desfecho do caso, solidificando o entendimento de que é a empresa quem deve demonstrar a validade de suas reivindicações, especialmente quando estas têm o potencial de macular a reputação financeira de um indivíduo.

A decisão também reitera a importância do art. 373, II do CPC, que delineia quem deve carregar o peso da prova em disputas legais. Em um mundo ideal, a clareza e a transparência nas transações comerciais eliminariam a necessidade de tais disputas; no entanto, enquanto isso não é uma realidade universal, o Código de Processo Civil serve como um escudo para os consumidores.

Fundamentos da Decisão Contra a Via Varejo

A análise jurídica da sentença proferida pela 4ª Vara Cível da Regional do Méier e subsequente apelação revela a aplicação rigorosa dos princípios estabelecidos pelo Código de Defesa do Consumidor.

Ao examinar a questão da negativação indevida, o tribunal reconheceu a responsabilidade objetiva da Via Varejo S/A pelo fato do serviço prestado, ou seja, pela inclusão do nome da autora em cadastros restritivos de crédito sem a devida comprovação da dívida.

A apelante, Via Varejo S/A, falhou em seu dever legal de apresentar provas concretas que justificassem a negativação do nome da consumidora. Essa incapacidade de fornecer evidências substanciais culminou na confirmação da sentença de primeiro grau, que já havia reconhecido a ilegitimidade da negativação.

A decisão judicial se aprofundou na interpretação do art. 373, II do CPC, que coloca o ônus da prova sobre quem faz a alegação.

No contexto do direito do consumidor, o tribunal enfatizou que, em determinadas circunstâncias, este ônus é invertido, obrigando a empresa a comprovar a veracidade de sua reivindicação, especialmente quando tal reivindicação afeta adversamente a reputação creditícia do consumidor.

O tribunal também ressaltou a relevância da Súmula nº 89 do TJRJ, que considera a inscrição indevida em cadastro restritivo como geradora de dano moral por si só, um conceito conhecido como dano moral in re ipsa.

O reconhecimento dessa súmula fortaleceu a posição da autora, solidificando sua reivindicação de que o simples fato da negativação injustificada já constitui um dano passível de compensação.

Assim, o tribunal determinou que a Via Varejo S/A não havia cumprido com sua obrigação legal de provar que a negativação era justificada. Além disso, o tribunal reconheceu que a consumidora havia suportado um dano moral intrínseco devido à falha da empresa em administrar corretamente seu processo de crédito e cobrança.

A decisão sublinha a importância de uma abordagem centrada no consumidor e a necessidade de as empresas adotarem práticas justas e transparentes na gestão de crédito.

Análise do Tribunal a Respeito da Negativação Indevida da Via Varejo

A questão central do caso em tela era determinar se a negativação efetuada pela Via Varejo S/A tinha fundamento em uma dívida legítima. A análise do tribunal foi pautada pela máxima jurídica de que a responsabilidade de provar a existência da dívida recai sobre a parte que faz a alegação.

No entanto, no domínio do direito do consumidor, essa responsabilidade pode ser invertida, transferindo-se para a empresa acusada de realizar a negativação indevida.

O tribunal, ao avaliar as evidências apresentadas, concluiu que a empresa não forneceu provas concretas que justificassem a inscrição do nome do consumidor nos cadastros de inadimplentes. Diante da ausência de comprovação da dívida pela Via Varejo S/A, o tribunal manteve a decisão de primeira instância, que havia declarado a inexistência do contrato e do débito vinculado a ele, bem como a ilegitimidade do apontamento restritivo.

A apelação da ré não conseguiu desconstituir os fundamentos da sentença, que estava alicerçada na legislação consumerista e nos precedentes do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

A falta de demonstração de um fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito da autora, conforme exigido pelo art. 373, II do CPC, e a ausência de uma causa excludente de responsabilidade objetiva, segundo o § 3º do art. 14 do CDC, foram determinantes para o desfecho da questão.

O dano moral, configurado pela negativação indevida do nome do autor, foi reconhecido pelo princípio do dano moral in re ipsa, que dispensa a comprovação do prejuízo para que o direito à indenização seja reconhecido.

O tribunal, ao analisar a quantia indenizatória, considerou-a justa e adequada, refletindo os valores estabelecidos em casos análogos pela jurisprudência do tribunal.

Efeitos da Decisão do Tribunal Contra a Via Varejo Em Razão da Negativação na Serasa

O desfecho da apelação cível reforça a mensagem de que a integridade do consumidor e a correta administração de processos de crédito são aspectos de suma importância na relação entre empresas e consumidores.

A manutenção da sentença, acompanhada da majoração dos honorários advocatícios conforme o artigo 85, § 11, do CPC/15, impõe um custo legal adicional à Via Varejo S/A, reiterando o peso das responsabilidades corporativas.

As implicações futuras desta decisão são vastas e reafirmam a necessidade de uma conduta empresarial alinhada aos preceitos do direito do consumidor.

As empresas devem agora refletir cuidadosamente sobre suas práticas de cobrança e negativação, assegurando-se de que qualquer ação dessa natureza seja baseada em dívidas legítimas e devidamente documentadas.

A decisão do tribunal também destaca a relevância da transparência nas transações comerciais e a importância da prevenção de práticas que possam levar a uma negativação indevida.

Para os consumidores, esse caso serve como um lembrete do poder e da proteção que a lei lhes oferece, incentivando-os a reivindicar seus direitos quando necessário.

A jurisprudência do TJRJ, refletida neste caso, será sem dúvida um ponto de referência para futuras disputas legais similares, podendo dissuadir as empresas de realizar negativações sem uma base sólida. Espera-se que essa decisão encoraje as empresas a adotar processos de verificação mais rigorosos antes de proceder com qualquer forma de negativação.

O caso em discussão demonstrou o papel crucial do sistema judiciário como guardião dos direitos do consumidor, uma instituição capaz de corrigir erros e impor sanções quando as empresas falham em suas obrigações legais. Este julgamento é um passo positivo para a consolidação de um ambiente comercial mais justo e equitativo.

O julgamento também sublinha a importância do papel do advogado de defesa do consumidor, que deve estar preparado para desafiar e refutar alegações infundadas de dívida e negativação.

A partir de agora, a representação legal do consumidor pode se fortalecer, tendo como base a decisão do tribunal para assegurar a proteção dos interesses de seus clientes.

Em última análise, o caso sinaliza para uma mudança potencial nas dinâmicas de poder entre consumidores e grandes corporações, estabelecendo um precedente para que os direitos do consumidor sejam efetivamente honrados e resguardados.

Compartilhe:

Marcel Sanches
Marcel Sanches

Advogado na Ls Advogados. Especialista em Direito Privado e Atuação nos Tribunais Superiores. Utilizou IA para colocar esta camisa social, pois não queria tirar uma nova foto.

Últimos Posts

o nubank negativou meu nome no spc serasa

Nubank: Negativação Indevida – O Que Fazer? Resolva!

Descobrir que seu nome foi negativado indevidamente pelo Nubank pode ser uma experiência perturbadora e frustrante. Este artigo discute...

negativacao oi negativacao claro negativacao tim negativacao vivo negativacao nextel

Negativado Pela Oi, Vivo, Claro, Tim, Nextel, etc. O Que Fazer?

Ao enfrentar uma negativação indevida por operadoras como Oi, Vivo, Claro, Tim, ou Nextel, é essencial buscar a orientação...

consultar histórico serasa

Serasa: Como Consultar o Histórico de Negativações na Serasa dos Últimos 05 Anos?

Como consultar o histórico de negativações da Serasa dos últimos 05 anos? Aprenda passo a passo.

negativacao itau dano moral

Banco Itaú Condenado a Indenizar Consumidor por Negativação Indevida

Em uma decisão emblemática, o Tribunal de Justiça determinou que o Itaú Unibanco indenizasse um consumidor em R$ 10.000,00...

negativacao indevida claro

A Claro Negativou Meu Nome. O Que Fazer? | Negativação Indevida Claro

Ao se deparar com uma negativação indevida promovida pela Claro, é crucial que o consumidor busque a orientação de...

Bradesco Cartões Cobra Encargos Indevidos e Negativa Consumidor. Tribunal Manda Bradesco Indenizar por Negativação

Bradesco Cartões Cobra Encargos Indevidos e Negativa Consumidor. Tribunal Manda Bradesco Indenizar por Negativação

Em uma decisão emblemática, o Tribunal de Justiça de São Paulo favoreceu um consumidor que contestou cobranças indevidas pelo...

negativacao via varejo

Via Varejo Deve Indenizar Consumidor Por Negativação Indevida

A questão central do caso em tela era determinar se a negativação efetuada pela Via Varejo S/A tinha fundamento...

light rio negativacao indevida consumidor serasa advogado

Light Condenada a Indenizar Consumidor por Negativação Indevida

Em um caso emblemático que reitera a importância dos direitos do consumidor, a Light Serviços de Eletricidade, uma das...

smartfit pode sujar o nome na serasa

Smart Fit Suja o Nome? Não Pagar Smart Fit Pode Sujar o Nome?

A Smart Fit, como qualquer outra instituição que fornece serviços recorrentes, possui o direito de negativar o nome de...

uniesp paga negativacao indevida advogado serasa

Uniesp Condenada por Negativação Indevida de Aluna no Programa “Uniesp Paga”

A aluna, beneficiária do programa "Uniesp Paga", encontrou-se em uma situação desafiadora quando sua instituição a negativou por um...

Áreas do Blog

Deixe Seu Comentário
(Caso Deseje Realizar Uma Consulta, Entre Em Contato Através do WhatsApp):

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

whatsapp advogado online